Vamos ser campeões!


Diz o povo e com razão, que temos cinco dedos numa mão e nenhum é igual. Característica igual têm os sócios e os adeptos do GLORIOSO SPORT LISBOA E BENFICA, todos tão diferentes, mas todos tão iguais.
Nos tempos que correm, na era pós-pior-pré-época depois da chegada do homem à Lua, não há benfiquista optimista. Todos querem acreditar, mas têm medo de acreditar.
Temos a melhor defesa e o melhor ataque do campeonato. Em catorze jogos, ganhamos doze, empatamos um (Alvalade) e perdemos outro (Pedreira). Temos mais seis (sete?) pontos que o maior investimento do Jorge Mendes em Portugal, depois da aposta na família Aveiro. Não, a Nandinha, tendo sido um bom investimento, não foi muito caro. Mais dez euritos que a mãe.
Ora, vamos lá então analisar o pessimismo vermelho.
Motivos – a equipa não joga um boi. Talvez possam ter alguma razão, sendo verdade que a equipa está longe de esmagar com nota artística como aconteceu em anos anteriores, mas durante os jogos, sentem em algum momento que as outras equipas podem marcar, colocar em causa o resultado?
Não sinto isso, com toda a sinceridade. Vejo a equipa a ganhar por “pouco”, mas com tranquilidade. O jogo no aterro da BCI foi disso o melhor exemplo.
Mas, se me permitem uma injecção de optimismo, vamos lá desmontar um argumento que corre nas mentes dos vermelhos (Nós), muito por causa da comunicação social que, continua (em especial a RTP) a dar a mão ao FCP. Os craques, os melhores jogadores, o plantel fabuloso. Um exercício simples – vamos escolher um onze do nosso campeonato, nestes primeiros 14 jogos.

Na baliza? Houve alguém melhor que o Júlio César? O Fabiano ou o Rui? Não me parece.
Nas alas, à defesa, temos à direita o Danilo. Sim, é espectacular – mas alguma equipa pode ganhar sem ter um MAXI dentro do campo, jogue ele na direita, a ponta de lança ou na baliza? Não é por aí. Na esquerda, sim, o Alex Sandro é claramente o melhor, mas o nosso André, como se viu no aterro da BCI dá para o gasto.
Nos centrais, escolhia o Luisão e o parceiro dele poderia ser um qualquer tirado à sorte.
Sim, na defesa, não entra nenhum do esporte.
A trinco, confesso que gostaria de escolher o Fejsa, para mim o melhor do nosso campeonato. O Casemiro não é grande espingarda e o Wiliiam só joga devagar e devagarinho. Nesta posição, confesso, não consigo escolher ninguém.
O box to box ? ENZO (sim, eu sei que ele saiu).
Nas alas temos, no BENFICA, o Salvio e o Gaitán, no Sporting o Nani e  a norte, o Brahimi, o Tello e o Quaresma. Não me parece que os do BENFICA sejam piores. Talvez escolhesse o Gaitán e o Nani, mas sem grande convicção.
Como apoio ao ponta de lança, o Talisca e na frente o Jackson.
Temos então este onze: Júlio César, Maxi, Alex Sandro, Luísão, Manel, Casemiro, Enzo, Gaitán, Nani, Talisca e Jackson.

Ainda continuam assim tão pessimistas?
Eu não. Vamos ser campeões!
Vamos voltar ao Marquês para festejar um acima do trinta e três.

3 comentários:

Berna disse...

Oliver em vez de Casemiro. Jonas em vez de Talisca.

Hernâni Caroço disse...

onze do campeonato?
FOda-se\

Julio César
Maximiliano
Indi
Luisão
Jefferson Bufas
André André
Danilo (Braga)
Nico
Nani
Jackson
Talisca

Benfiquista Primário disse...

Fejsa no lugar de Casemiro, Brahimi no lugar de Nani, Jonas no lugar de Talisca. De acordo em todos os outros.

Mas o problema do Benfica não está no onze, mas no plantel...em comparação com o nosso do ano passado...não necessariamente em comparação com o plantel deste ano dos frutistas - este é teoricamente muito melhor, mas a equipa está em construção e tem um treinador que nunca tinha treinado um clube grande; enquanto o campeão nacional tem um dos melhores treinadores da Europa (digo eu, e a UEFA) e uma equipa já muito mecanizada, que joga de olhos fechados (disse o insuspeito frutista António Oliveira)...

Em Maio veremos o que pesa mais.
Carrega Benfica!