A minha análise à entrevista de LFV

Tive oportunidade de ver a primeira parte da entrevista do presidente LFV no café, com algum barulho é certo, mas deu para ouvir respostas a questões que me interessavam. Aliás, ouvi uma resposta - não tenho de me preocupar com as finanças do clube - embora o presidente tenha também referido que a situação da banca torna o país numa bomba-relógio, prestes a afundar mais qualquer coisa a cada dia, sendo portanto um pouco contra-senso afirmar com tanta certeza que o Benfica não terá problemas.



Quanto à primeira parte, e com os devidos parabéns a Hélder Conduto, de quem sempre se percebeu a capacidade de trabalhar na nossa televisão sem precisar de fornecer qualquer favor profissional nas horas de aperto. Basta seguir atentamente os comentários em directo para se perceber isso. Embora o presidente não achasse necessárias todo aquele interrogatório, um jornalista quando conduz uma entrevista, é dono das perguntas, e, entrevistando um líder de uma associação, é-lhe pedido que esclareça as dúvidas dos associados, mesmo que outros associados não tenham dúvidas nenhumas, e Conduto foi exímio nesse papel, foi exímio naquilo pelo qual, e para o qual, foi contratado.

Gostei do ar natural do presidente, deixou transparecer o que o incomodava, e o que o alegrava, e isso só enriquece uma entrevista deste género. Isso não invalida o facto de lhe não reconhecer grande credibilidade em entrevistas anteriores. Antes que alguns espumem, e recordando-lhes que é aqui onde dou a minha opinião, se acham que isso é querer mal ao Benfica, então temos aqui um choque de ideias, o qual não estou disposto a resolver de ânimo leve, porque cansei da opinião que visa apenas descredibilizar quem tenta pensar o clube para além da bola, e de quem, constantemente, coloca os interesses dos responsáveis em detrimento do clube, mesmo que não se apercebam disso. Compreendo que haja muita merda na net sem pés nem cabeça, muitas acusações e invenções saídas de cabeças mágicas e, algumas, até servirão alguns interesses indirectamente. Não, não estou a falar do Ontem Vi-te No Estádio da Luz, embora muitos de vós gostásseis que fosse.

Voltando à entrevista. Vi a segunda parte em casa, e tirei algumas notas.


Positivo


A situação de Oblak. A partir do momento em que o esloveno, e passo a citar o presidente "foge pela segunda vez", não merece qualquer oportunidade no Benfica, por mais lucrativo que seja o negócio, ou por mais qualidade desportiva que traga a equipa. O presidente esteve mesmo muito bem, tanto por não ter baixado cláusulas como por ter recusado um possível regresso à posteriori. Não deixa de ser engraçado ver que muitos dos que já perderem o discernimento andavam a apregoar que os jornais é que inventaram tudo, e que o Oblak estava de férias porque fez um jogo pela seleção. Isto é só um exemplo para perceberem que nem ao presidente fazem bem com essa posição carneirista.

A venda de Garay. Mais uma vez ressalvo que não revejo credibilidade no presidente, mas não estou aqui de má fé, e parto do principio que o negócio Garay foi clarificado com a verdade, já que tem toda a lógica. É verdade que poderíamos ter um valor elevado, mas aqui pareceu-me mais um problema de sentimento, de agradecimento, de reciprocidade, e de não querer ir contra o jogador. Garay teve a promessa de sair no fim da época para ganhar mais dinheiro, e se a oferta milionária do Zenit já havia sido feita antes do mundial, tornava-se complicado dissuadir o jogador para ir ganhar menos em deterimento do clube. Está bem que todos queremos o melhor para o clube, mas o Garay não é nosso pai. Agradeço também ao presidente não ter alinhado (ou até pensado, não sei) nos esquemas sujos que, infelizmente, muitos benfiquistas defendiam (mais uma vez apenas para defender o presidente, pondo-o à frente dos próprios valores do clube), que era a venda de outro jogador por um preço exorbitante para não darmos muito ao Real Madrid. Isso é vergonhoso, não é negociar, é aldrabar, e se vocês acham que negociar é enganar, então tenho uma coisa a dizer-vos -çste país está uma merda por culpa de gajos com o vosso pensamento no negócio.

A venda de Markovic. Também fiquei esclarecido, e tem toda a lógica. Ninguém contaria que o sérvio superasse todas as expectativas, e era impossivel não o deixar ir para um Liverpool que quer ser novamente gigante, e foi vendido por uma pipa de massa.

Cardozo - Nada a dizer. Nem se trata de saber se faz falta ou não (eu acho que faz), a questão aqui era simples - Cardozo queria sair, e é um jogador que consegue ser problemático e trazer mau-estar aos colegas - logo foi a melhor decisão, com o jogador a fazer um bom contrato, e o clube a ganhar algum dinheiro com isso (o investido já teve retorno com todos os golos de Tacuara).

Investimento na Caixa Futebol Campus. Fico contente que se anteveja o que aí vem, em relação a contratações caras, e darmos todas as condições para os atletas poderem sair aptos à exigência de grandes jogos, embora perceba que JJ não é muito de dar oportunidades (não sei se está certo ou errado,mas que tem crédito, lá isso tem). Não concordo quando dizem para fechar a Caixa porque não se aposta na formação, embora percebo que estejam a ironizar com a situação. Devemos continuar a investir naquilo que pode ser a salvação do Benfica, caso aconteça algum descalabro.

Assumir o erro no caso Eliseu. É sempre bom ver alguém com cargo importante assumir um erro. Dá-lhe uns pontos com os mais cépticos, como eu, e aumenta a margem de credibilidade do entrevistado, especialmente se for o líder de quem o entrevista.

Não falar das outras equipas. Para mim, um defeito corrigido, e agora uma qualidade de LFV, pois aprendeu que, com vitórias não precisámos falar dos outros, o que me deixa contente.


Aspectos negativos


Começo por onde terminei há pouco. Moniz, João Gabriel e Rui Costa, no entanto, vieram a público uns dias antes falar dos outros, tornando a coisa assim um pouco estranha. Não gostei, mas é a minha opinião, e se Rui Costa ainda poderia falar dos reforços dos outros, uma vez que é o responsável desse sector no nosso clube, já Moniz vir falar do problema dos rivais com a banca não tem cabimento.

Luis Felipe - Eu ainda não tinha percebido que o jogador esteve parado meio ano para poder jogar no Benfica. É o que dá essa mania de jogar sujo, e que em nada traz sorte, apenas ilusão. Isso a juntar à forma miserável com que se apresentou, só demonstra que o jogador foi contratado, e deixado ao seu próprio destino até chegar à Portugal. Não se faz.

Djavan. Não é tanto pelo aspecto desportivo, confesso que não conheço bem o jogador, e reconheço melhor capacidade a Eliseu, mas o Benfica fica muito mal visto no meio disto tudo, pela imprensa, pelos adeptos, e pelos rivais, aqueles que não vão perder a oportunidade de nos deitar isto à cara quando falámos dos negócios sujos de Pinto da Costa, pois, não sendo um negócio sujo, é um negócio estranho e propício a esse tipo de 'bocas'.

Siqueira: Escusado. Todo um eixo com Eliseu e Djavan, muito mal resolvido, e quase desprezado de forma arrogante. Quem viu o presidente a rir-se quando falava dos problemas financeiros, só pode ficar chocado quando percebe que Eliseu não veio de graça por distração da direção, e que foi investido dinheiro que daria para segurar o brasileiro titular da época passada, que passou por mercenário desnecessariamente. Um erro assmido, e ainda bem que o fez, mas desvalorizado quando não o deveria ser, dando um ar de gestão financeira a martelo, que nós sabemos que não é. Escusado.

Ivan Cavaleiro - Embora não me incomode o seu empréstimo, até porque acho que há mais qualidade no plantel, é inadmissível ver o presidente a culpar os jornalistas, e pior, a culpar o jogador pela sua juventude, quando o único culpado nesta situação é o Benfica. Não foi dada uma única palavra ao jogador por parte do treinador, e mesmo que a direção lhe tenha falado, seria sempre necessária a palavra do nosso treinador para com o atleta, porque foi opção na época passada, e porque é um jogador do nosso clube, que deve estar motivado, e não o contrário. Inadmissível que se culpabilize toda a gente menos o próprio JJ, ou a direção por não lhe ter aconselhado a dar a palavra ao jogador (se o fez, deveria ter sido mencionado).

Empréstimos dos jovens da formação. Pense-se ou não, se os jogadores têm qualidade para jogar no plantel principal, toda esta questão fica confusa quando o presidente diz que foram emprestados não para serem vendidos, mas que, e passo a citar "há lá umas cláusulas". Esta situação deveria ter sido abordada de outra forma pelo presidente, que se mostrou desconfortável, ainda mais do que quando se falou no banco, e que me deixou um pouco triste.

No geral, gostei da entrevista porque devoro informação sobre o Benfica, e sobre a discussão do clube, mas só porque olhei para esta entrevista de forma distanciada, como adepto racional, e sem deixar que a minha opinião sobre LFV, que anda lá por baixo, viesse ao de cima.

25 ou 30? Por mim ZERO!


Há coisas que me irritam há muitos anos.
Uma delas é a estupidez azul que se expressa no discurso Calimero à volta do local da final da Taça de Portugal. Apesar das vitórias continuam pequenos porque não saíram da circunvalação. Basta ver que o ConSelho do país com mais portistas continua a ser o da arbitragem.
Mas, voltemos ao ponto - reclamam os tristes que são uns coitados, que os jogos são longe e tal.
Ora, diz o Google Maps que o Estádio de Aveiro fica a 99,6 do Estádio dos Arcos, em Vila do Conde. O autocarro do SPORT LISBOA E BENFICA teve que fazer  256 quilómetros para fazer o jogo da Supertaça. O Estádio de Aveiro esteve cheio com adeptos do SPORT LISBOA E BENFICA que deram uma enorme lição de BENFIQUISMO, o que, depois da pré-época, é obra!
Dito isto, a minha proposta é simples, nem 25, nem 30. Vão roubar o pé, que não é esquerdo, nem direito -
boicote de todos os BENFIQUISTAS ao jogo do Bessa.
E aguardo duas posições - uma da AABE e outra do Provedor do adepto.

A entrevista do Presidente


Eu tenho memória Sr. Presidente.
É por ter memória que escrevo este post.
Poderia falar de outras situações, mas é capaz de ser suficiente deixar a quem passa pelo cabelo uma informação: eu estive em Vigo!
Olhando para trás só há uma coisa que está igual: o SPORT LISBOA E BENFICA! Porque tudo o resto é...
Vejamos: centro de estágios, novo Estádio, Museu, BENFICA TV (BTV? Quem se lembrou disto?).
Estamos a ganhar títulos, a disputar vitórias...
Temos formação e estamos a lutar por todos os jogos nas mais diversas modalidades.
E por ter memória, avalio como muito positivo o trabalho da Direção liderada por Luís Filipe Vieira.
Claro que poderia comunicar melhor.
Claro que deveria fazer mais e melhor e deixar as promessas para o outro lado da BCI da capital.
Claro que poderias promover a dimensão democrática do BENFICA, abdicando dos tiques de ditador a que às vezes recorre.
Claro que podia ser tudo ou ser nada.
Mas, a verdade é que hoje o SPORT LISBOA E BENFICA voltou a ser o SPORT LISBOA E BENFICA.
Gostei de ouvir o Presidente dizer que, com ele a Presidente, o clube não será "dado" a um qualquer milionário estrangeiro. É uma das questões que mais me preocupa e quero acreditar na palavra de Luís Filipe Vieira.
Gosto de o ouvir dizer que o Gaitan e o Enzo só sairão pelas cláusulas, fiquei esclarecido com o que explicou sobre o Oblak, o Cardozo, o Markovic, o Garay e o Siqueira.
Tenho algumas dúvidas sobre o empréstimo dos "putos" ao Mónaco e ao Valência - alguém acredita que eles vão "rodar" nestas equipas? Rodar é no Fafe ou na equipa às risquinhas onde os Argentinos fazem a adaptação à europa. A explicação sobre o Danilo do Marítimo foi clara e subscrevo a opinião da Direção. Aliás, foi coerente com esse tipo de posição ao revelar que o Oblak esteve para ser devolvido ao remetente.
Claro que preferia ter o CR7 e o Messi na luz, mas entendo que a nossa folha salarial não pode ir atrás das sistemáticas loucuras praticadas no Dínamo da BCI. O Danilo azul custou 18 milhões e não teria lugar no plantel do BENFICA e são poucos os jogadores azuis com um custo (real) inferior a 10 milhões - imaginem, pois, o que vão ser os salários aqui a norte.
Dito isto, fico preocupado com o que aí vem - quero acreditar que o Enzo, o Luisão e o Gaitan vão ficar e, com eles, vai ser possível lutar por todas as vitórias no nosso campeonato.
Com estes jogadores acredito que vamos ser campeões.
Nota: não faço parte dos Vieiristas, mas isso não deixa de me preocupar a forma quase irracional como alguns de Nós, VERMELHOS, procuramos ver o copo meio vazio.



Rei Artur


O Artur, como quase todos os outros jogadores, poderia ter colocado uma foto dele sozinho com a supertaça, até porque foi a peça mais importante, não deixando que os penáltis fossem uma lotaria, e resolvendo a questão.




O Artur não colocou uma foto dele com a taça, para assinalar o momento na sua página de facebook, colocou sim uma foto de toda a equipa, com o capitão no meio. O Artur anda no futebol, e sabe o que é o futebol. O Artur sabe o que é o Benfica, e o Artur é um dos protótipos de um verdadeiro jogador à Benfica.

Não vou procurar as mil defesas impossíveis que já fez de águia ao peito, porque simplesmente não preciso - tenho-as quase todas na memória, e é lá que as vou guardar, agradecendo-lhe por ser o Rei.

Hoje chegou um novo guarda-redes, não o conheço, mas que tudo lhe corra bem, pois é o Benfica quem sai a ganhar com isso. Mas não aceito, e não aceitarei, que continuem a tentar escorraçar Artur para fora do Benfica, quando está ali uma das poucas pessoas que transmite os valores do benfiquismo, nos dias que correm.

Com Artur ou sem Artur, só me interessa vencer, e se, pelo caminho, mandar uns insultos ao Vieira, podem criticar-me, mas pensem bem se a crítica certa é a um jogador, sob pressão imediata, ou sobre um presidente que não dá chutos na bola.