Bolas da Bancada - Rasgos do Benfica x Atlético de Madrid

- Eliseu ainda é titular. Deve ser por ser "mais experiente" do que Rebocho... uma vez que faz faltas ofensivas como Maxi fazia, uma vez que continua a colocar adversários em jogo e, também a entrar com todo o ímpeto deixando a maior parte da inteligência fora da jogada!

Não gosto de Eliseu, não o acho minimamente inteligente, nem tão pouco que dê mais do que força física ao jogo de uma equipa, muito menos o acho jogador para um clube como o Benfica.
É demasiado ímpetuoso, com entradas fora de tempo, sem inteligência nenhuma, na maioria das abordagens aos lances - ofensivos quer defensivos - onde intervem, chegando mesmo até quando o jogo está parado, a poder ver cartões amarelos desncessários (pontapeando a bola para longe, por diversas vezes).
Para mim, uma ida ao mercado por um lateral-esquerdo e com a promoção de Rebocho, o Benfica ficaria muito melhor servido de laterais.


- A perder e a poucos minutos do fim, o Benfica coloca 6 (!) homens na primeira fase de construção. Talvez para "garantir" equilíbrio defensivo na saída para a 2ª fase, uma vez que os outros 4 estão no último terço...

Inconcebível estar em disputa o primeiro lugar de um grupo - e consequentemente uma maior "acessibilidade" no que ao pote de adversários diz respeito - e uma despreocupação do jogo nos momentos em que Renato Sanches saía em progressão, procurando linhas de passe!
Numa primeira fase de construção, haverem 6 homens - Renato e Fejsa baixam para iniciar a construção, sem que os centrais dêem mais largura e, pior ainda, sem sequer que os laterais se posicionem a dar apoios entre linhas para se sair a jogar em organização. Resultado: sai Renato sozinho, a procurar linhas de passe com André Almeida, Lisandro, Fejsa, Jardel e Eliseu - pelo menos 3 vezes aconteceu isto, embora que nos minutos finais - a verem o que Renato vai fazer, tendo também Carcela, Jimenéz, Mitroglu e Pizzi quase no último terço do terreno, sem nenhum baixar a dar linhas de passe.



- Com Pizzi no 11 garante-se uma grande quantidade de variações do centro de jogo, e muito jogo interior... e muitas brechas entre o interior e o médio centro, e muitas situações de superioridade na marcação ao jogador marcado por... André Almeida, e muitos passes falhados, e muitas perdas de bola, e demasiados espaços de progressão ao portador da bola (ver segundo golo do Atlético).

É certo que Pizzi aparece muito bem em zonas de finalização - apesar de não finalizar com qualidade, mas aparece - e contribui também para a equipa poder aumentar as chances de criar mais ocasiões.
Contudo, com Gonçalo Guedes, ou Carcela, mais com Carcela (nem refiro sequer aqui Djuricic, apesar de ser um eterno defensor da sua qualidade, não sei quais os motivos que o impedem de ser opção sendo que, provavelmente, poderá passar pela forma como treina ou não, no caso) também o consegue, ganhando também nos momentos de pressão - ou muito me engano, ou Carcela é conhecedor dos timings certos a pressionar os adversários para conquistar a bola - não perdendo agressividade, muito pelo contrário, ao passo que Pizzi tem erros de abordagem defensiva no que diz respeito às contenções e/ou desarmes. Em suma, perde-se uma grande percentagem de sucesso na conquista da bola.
Pizzi tem qualidade, e boa leitura de jogo. Resta saber, se por falta de confiança, ou por outros motivos que não me descorrem, o porquê de tanta perda de bola e tantos passes falhados...
Quanto a Pizzi, espero melhorias no seu jogo defensivo, bem como mais critério e decisões acertadas, no jogo ofensivo, porque sei que tem capacidade para mais do que o que tem estado a mostrar!


 - Renato Sanches é suspeito de ter a sua idade falsificada. Por ser experiente e mais maduro do que muitos "experientes" ainda há por aí muitos a questionarem-se se ele terá mesmo 18 anos. E pior ainda, no meu entender, que sou aprendiz de maluco, é ver a admiração dos seus colegas que paravam para o ver jogar e não davam linhas de passe à frente. Nem falo por dentro, entre-linhas, ou nos corredores laterais. Basta à frente...

Falta calma ao miúdo nas definições e na verticalidade do passe, nos momentos ofensivos, no meu ver. No entanto, acredito que possa melhorar, com o devido acompanhamento, as suas leituras de jogo nestes momentos e interpretação dos mesmos. É certo que Jonas e Gaitán - as referências que baixavam, dando apoios entre linhas - já não se encontravam em campo, mas Renato também não soltou a bola por diversas vezes, procurando os lances individuais em demasia.
Fruto da idade, talvez, arrisca em demasia, mas enriquecerá mais o jogo se procurar as linhas de passe entre linhas, e tabelar com elas, ou simplesmente isolá-las nas zonas de criação, como foi o caso quando rematou de meia distância e poderia ter servido ou combinado com Mitroglu.
Convém que o míster tenha atenção e melhore o jogo do meninom caso contrário, ele pode-se perder.
Calma, família benfiquista, que o miúdo ainda é só isso mesmo, apesar de já apresentar uma certa maturidade...!


- É muito bom ver os adeptos extremamente satisfeitos com a "garra" e "intensidade" de Lisandro. Para mim, é forte no desarme. E se ele ao menos fosse forte em mais coisas... como por exemplo a fazer linha com Jardel e a não se afastar de André Almeida posicionalmente de modo a fazer uma linha porreira para sacar foras-de-jogo ao adversário e não o contrário (pô-los em jogo)... isso é que era, Lisandro...!
 



- O Benfica fez muito bem a pressão alta para chegar ao empate. Resta questionar o porquê de não haver essa pressão durante a maior parte do tempo de jogo?


- Carcela, o jogador que costuma somar mais minutos no banco do que em campo, é dos únicos jogadores a perceber o timing da pressão e priviligia um maior leque de opções de linha de passe, jogando pelo interior... e na direita. Ah, pois é, na direita estava o Pizzi...


- Interessante seria ver Carcela, Gaitán, Jonas, Mitroglu e Renato juntos num onze...

Gostaria de saber se, com estas opções em campo, a organização ofensiva não ficava a ganhar. Estou convicto que sim, e mais: estou convicto que a defensiva não iria perder.
Era vê-los com Semedo recuperado, Salvio... bem é aguardar. Ah, e Djuricic, se ele "estiver bom".


- Ah, outro pormaior, uma vez que a malta gosta de golos: Interessante constatar que Jimenéz e Mitroglu, cujos pontos mais fortes são o jogo aéreo, constroem o lance do golo do Benfica como? Combinando, pelo chão e com passes a explorar os espaços entre-linhas... por dentro do bloco, sem recorrer ao cruzamento fácil, que o modelo de jogo deste Benfica tanto priviligia...


O futebol moderno apresenta outras características que o outro futebol apresentava. Não é por acaso que ainda se questiona, ainda que no meio de uma minoria, o porquê de valores como Nolito terem ido do Benfica e não ter continuado a deliciar-nos com pormenores simples, e de tão elevado nível.

4 comentários:

N.T. disse...

Alguém que meta água na fervura relativamente ao Lisandro. Obrigado.
Faz-me lembrar, com as devidas distâncias, o tempo em que se trocou o Rocha pelo Anderson só porque o brasileiro era (supostamente) mais fino a jogar.

jorgen80 disse...

Carcela não tem intensidade. É igual ao Ola John;
Djuricic não tem qualidade para o Benfica. É jogador para futebóis abertos, com muito espaço. Em campos onde o espaço é curto, ressente-se muito;
Criticar o Lisandro é de bradar aos céus. Não te quero chamar idiota, mas a crítica merece tal adjetivação. Piorado, pelo facto de ontem o Jardel ter culpa nos dois golos. E ter feito porcaria sempre que tinha que sair a jogar.

Daniel disse...

jorge, o Lisandro é mau demais. tanto no ataque à bola como no controlo da profundidade. O Jardel ressente-se da falta do Luisão, o posicionamento também não é o forte dele. compensa com boa noção do espaço e com a velocidade que tem.

o Djuricic é jogador é para espaços curtos. não é a jogar de trás para a frente como o Vitória quer, é a jogar em tabelas como trequartista à antiga.

Joao Costa disse...

N.T. eu só cito um treinador, para mim querido, de seu nome Jorge Jesus - sendo que querido é apenas pela sua qualidade como treinador e por ter posto o nosso Benfica a jogar como nunca nenhum outro pôs, independentemente de quem venha a querer dizer o contrário - "por isso é que uns são treinadores e outros são só adeptos".

Os homens estão lá todos os dias com os jogadores à frente, mas ainda hoje me surpreende como é que, por exemplo, o Mourinho tem o Diego Costa na equipa.

Se gostas do Lisandro, óptimo, brevemente irei compilar uma série de informações sobre algumas "lacunas" do Lisandro: tomadas de decisão e abordagens aos lances.