Explicação a Bruno de Carvalho sobre a Juventus

Mostra muita preocupação o sr. Bruno de Carvalho em colar a Juventus e todo o escândalo á sua volta há cerca de dez anos atrás, com o Benfica e as caixas oferecidas como cortesia de boas vindas aos árbitros que se deslocam á Luz.
Uma vã e desesperada tentativa de confundir a opinião pública, somente. Esta sopa come-a com um garfo quem quer, e espero que a esmagadora maioria dos simpatizantes sportinguistas sejam menos hipócritas que o seu presidente.

O ultra-poder

Luciano Moggi e Antonio Giraudo, respectivamente director geral de 1994 a 2006 e administrador da Juventus guiaram o clube italiano a uma série de vitórias e títulos baseados num esquema de manipulação de resultados. O chamado caso Calciopoli.
Com Moggi a ser o cérebro de uma rede de interesses e favores desportivos que pouco devia á genialidade das movimentações da camorra de Nápoles ou da cosa nostra siciliana.
Tudo começou quando veio a público uma série de gravações de telefonemas entre Moggi e membros da Federação de futebol, associação de árbitros, jornalistas, etc...Para tal, usavam sim-cards compradas na Suiça, Eslovénia e Lichenstein pois, segundo ele, a polícia não poderia gravar as conversas.
Moggi explicava aos comissários arbitrais quem deveria arbitrar o próximo jogo da Juventus, e cada semana o processo era repetido. Ao domingo ou segunda feira, era a vez de explicar aos jornalistas o que deveria ser escrito ou falado nos jornais e tv's, de modo a "esquecer" lances que beneficiavam o clube ao mesmo tempo que se procurava lavar cerebralmente a opinião pública sublinhando que a Juventus era uma super-equipa dentro de campo e nada mais.
Mais de 10 árbitros foram irradiados, assim como membros da sua associação; também uma dezena ou mais de jornalistas perderam a carteira profissional e o próprio presidente da Federação foi demitido tendo o Governo na altura transferido o poder de governação do futebol para o CONI - comité olímpico  nacional italiano, pois era a única maneira de ter pessoas idóneas a comandar o Calcio.
Até em jogos internacionais Moggi obtinha os árbitros que queria, visto que membros da AIA (associação de árbitros italiana) integravam também altos cargos na arbitragem da Uefa, nomeadamente Pierluigi Pairetto e Paolo Bergamo.

"Quero que arbitres o jogo com 50 olhos, para veres até o que não existe."

Nalla-Estou sim?
Moggi-Sou o Moggi. Queria falar com Nalla.
N-Olá Luciano.
M-Preciso...em tempos rápidos, porque devemos fazer...
N-Sim.
M-É para um amigo importante. Uma Maseratti.
N-Sim.
M-Quatro portas.
N-Quatro portas?
M-Sim. Damos-te uma semana ou dez dias, ok?
N-Ok.

Carros de luxo, rolex, prostitutas de 6000 euros por noite, motos de cilindrada, fatos e gravatas das melhores marcas. Era assim que Moggi pagava a quem o ajudava a meter a sua Juventus num pedestal futebolístico.
Por vezes os contornos destas operações iam mais longe, pois soube-se durante os processos em tribunal que o Messina, um clube pequeno do sul de Itália, comprou cinco jogadores da formação da Juventus á GEA World a preços muito superiores aos seus passes de modo a obter um "equilíbrio arbitral" na época seguinte.
Outros clubes estiveram envolvidos no calciopoli, como a Fiorentina, o Milan, a Lazio, etc...A todos foram retirados pontos mas só a Juventus desceu de divisão, tendo os campeonatos ganhos em 2004/05 e 2005/06 sido entregues ao Inter.

A GEA-World

Uma empresa de consultadoria que actua especificamente no âmbito do futebol, presidida pelo filho de Luciano, Alessandro Moggi.
Basicamente jogadores e treinadores assinavam pela GEA que depois geria as suas carreiras. O problema é que só havia um caminho a seguir: ou os jogadores seguiam á risca os negócios propostos pelos Moggi ou iriam encontrar muitas dificuldades.
Um jogador muito acarinhado pelos benfiquistas foi vítima neste processo, Fabrizio Miccoli. Alguns interrogaram-se como é que um jogador italiano (na época, poucos eram os que emigravam), de selecção tinha vindo parar ao Benfica. O facto é que ao negar assinar pela GEA, Moggi disse-lhe que tinha sido ele a metê-lo na selecção e que se não assinasse "em Itália não jogaria mais"...
Outros tiveram sorte diferente da honra de jogar pelo Glorioso: como Corrado Grabbi, melhor marcador da segunda divisão e produto das escolas da Juve, teve de interromper a carreira por também recusar-se a assinar pela GEA. Andou pelo Modena e Cosenza por empréstimo até que Moggi lhe disse que deveria começar a pensar em jogar futebol só no jardim de casa;
Salvatore Fresi, forçado a escolher entre jogar no Perugia ou treinar nas montanhas a norte de Turim "de manhã á noite".
E outros...

O Bruno é do Carvalho

O Presidente do Sporting caiu no erro que muitos caem quando alcançam o poder e a notoriedade: o de exagerar. Em tudo. E decidiu que a melhor forma de defender o seu clube é atacar os outros. Bruno de Carvalho desistiu de representar o Sporting para representar uma guerra contra o Benfica. Banseando o seu discurso em mentiras e distorção de factos. Entrando em contradição consigo mesmo, num discurso que morde a própria cauda, existindo quase diariamente exemplos disso, desde há meses para cá.
E já não consegue sair desde registo.
Seguem-se conclusões e sentenças nas diversas batalhas iniciadas por ele, veremos se terá o bom senso de acatar as decisões ou se dirá que a justiça não funcionou só porque querem calar o Sporting. Um lugar comum mesquinho e tísico.




Que o Bruno de Carvalho não tenha dúvidas que se um membro da direcção da Juventus fosse apanhado por ter depositado dinheiro na conta bancária de um árbitro, em poucos meses(!) o clube italiano sofreria graves sentenças desportivas.


7 comentários:

Daniel Alves disse...

Só quero fazer uma correcção a um excelente texto: O título de 2004-2005 não foi entregue a ninguém, esse campeonato ficou sem efeito. O do ano seguinte sim, foi entregue ao Inter. Nunca percebi esta parte.

Jorge Alemão disse...

São situações completamente diferentes e se o Porto não desceu de divisão - claro que o Benfica também nao deve descer

Agora é no entanto uma situação a evitar (tal como a situaçao de PPC) até porque é a imagem dos proprios clubes que está em causa

Daqui a umas semanas já ninguem falará disso (nem mesmo BC)

RedAtheist disse...

Gostava de saber porque e que o SLBenfica devia descer de divisao?O que fez o clube para isso acontecer?So o Porto e o Sporting cometeram actos que em Italia daria descida de divisao.

Rui Dias disse...

O caso do cálcio caos é em tudo similar ao apito dourado....com a diferença da importância legal dada ás provas recolhidas. Exactamente igual ao que se passou no caso cardinal (com a diferença óbvia da dimensão de um acto ou de uma pratica comum). Em ambos os casos altos dirigentes tiveram práticas ilegais com o intuito de beneficias a instituição a que presidiam! E em ambos os casos o clube foi totalmente ilibado das acusações! No apito dourado também alguns dos altos dirigentes se safaram de todas as acusações, no entanto outros sofreram algumas represálias (até prisão). No caso cardinal aconteceu algo similar com a diferença que um dos altos cargos (ppc) do o era na teoria! É um Zezinho com alguns conhecimentos mas não é um big player!

Em Portugal até ao momento nenhum outro caso é conhecido em que algo similar tenha ocorrido...mas também em nenhum destes casos foi alguma vez falada uma descida de divisão! O clube ficou sempre de fora!

Engraçado que o nalgas diz que o Benfica, caso se provasse que as caixas são mesmo oferecidas e no modelo que ele apresentou, deveria dar descida de divisão. Curioso quando se está a julgar um caso em tribunal em que um dirigente leonino coagiu comprovadamente as regras da competição e ele não veja nisso nenhuma similaridade com o que defende! Ou é burro ou quer fazer os outros burros!

Os jornalistas que lhe fazem entrevistas ainda nunca lhe perguntaram isto porque? Pagava para ouvir a resposta!

A bug's life disse...

Tonel decide!

Daniel Alves disse...

Ah é verdade...O Benfica nunca na vida pode descer, mas se acontecesse, então muita gente teria de ir de arrasto

Red State disse...

Xiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiu! Não digam que o dirigente do Sporting depositou dinheiro na conta de um arbitro, o Valdemar vem já ai com uma teoria qualquer de que isto é culpa do Benfica...
Entretanto "esquece-se" de dizer que um dirigente DEPOSITAR DINHEIRO NA CONTA DE UM ARBITRO (em caps lock para se perceber bem o que fez) é sim corrupção, não é coação ou outra treta qualquer, é um DIRIGENTE A DEPOSITAR DINHEIRO NA CONTA DO ARBITRO QUE O VAI APITAR!
Até lá podemos andar a brincar às coações, aos vouchers etc etc... O Valdemar e os amigos fazem de conta que um dirigente não DEPOSITOU DINHEIRO NA CONTA DE UM ARBITRO e isto deixa de ser algo realmente grave...
Vá, estejam lá caladinhos, não vá o Bruno de Carvalho dizer que a Juventus desceu por corromper árbitros PAGANDO-LHES, da mesma forma que o SPORTING PAGOU 2.000€ a um árbitro...