Nomeações Vs Sorteio

Sorteio. Digo desde já que não sou a favor do sorteio e isto por uma razão muito simples. Por princípio não sou de apoiar o que vai contra o bom senso. O bom senso sobre a arbitragem diz-nos o quê?:

1. Tal como em todas as actividades, também na arbitragem existe quem faça o seu trabalho com qualidade e quem tenha mais dificulades em atingir essa qualidade. Tal como existem bons e maus mecânicos, bons e maus professores, bons e maus tudo, também existem bons e maus árbitros.

2. Tal como em todas as actividades, também no futebol existem missões mais complicadas. Tal como é mais fácil fazer uma estátua de barro do que fazer uma outra a partir do mármore, é bem mais fácil arbitrar um jogo que não conta para nada entre duas equipas do meio da tabela no final do campeonato do que arbitrar um jogo que decide um titulo, sobretudo se esse jogo for entre rivais.

3. Assim sendo, sabendo que existem bons e maus árbitros e que existem jogos mais dificeis do que outros, o bom senso diz-nos que são os melhores árbitros que têm que arbitrar os jogos mais complicados.


Ora, se sou contra o sorteio é porque o sorteio implica negligenciar isto que me parece ser uma evidência. Tanto é uma evidência que não sei como quem é a favor do sorteio pode negar estes três princípios. E contudo fazem-no. Porquê? Penso que é porque enganam-se no alvo da critica. O problema não se encontra nas nomeações enquanto tais. O problema encontra-se numa coisa que muito contribui para as suspeitas legitimas de todos, sem excepção : a falta de transparência nas nomeações realizadas e a falta de transparência nos critérios de avaliação dos árbitros.

1. Sobre a falta de transparência nas nomeações, todos, independentemente do clube que apoiam, podem dar exemplos. Como raios é possivel, por exemplo, que um  árbitro que repetidamente comete erros para o mesmo lado continue a arbitrar o clube que constantemente prejudica ou favoriza (consciente ou inconscientemente)?

2. Sobre a falta de transparência nas avaliações, como raios é possivel que um Olegário Benquerença tenha chegado a ser internacional, ou seja, tenha conseguido as avaliações necessárias para ser considerado um dos melhores de Portugal e assim conseguir espalhar magia por essa Europa fora (lembram-se do Inter-Barcelona?) envergonhando... a própria arbitragem nacional?

O problema não se encontra no sistema da nomeações. É o sistema mais correcto porque pura e simplesmente é o sistema mais racional. O problema encontra-se, precisamente, na falta de racionalidade e de objectividade dos critérios sobre os quais as nomeações e as avaliações são feitas. Em vez de clarificar estes critérios, uma maioria, curta, de clubes decidiu cortar pela raiz e passar ao sorteio. Agora expliquem-me como o sorteio pode melhorar a coisa senão aumentar ainda mais a hipocrisia disto tudo. Porquê?

1. Não vai existir sorteio algum. O próprio sistema do sorteio implica condicionamentos que fazem com que, finalmente, a escolha de um árbitro para um jogo resulte numa nomeação indirecta porque o naipe de árbitros disponiveis é reduzido à partida por esses mesmos condicionamentos. Quem anda aí todo contente com o sorteio que me diga : que condicionamentos são esses? Têm conhecimento deles ou têm confiança cega na palavra "sorteio", tão cega que acreditam realmente que a coisa vai ser melhor agora?

Colocando a coisa com exemplos. Caros sportinguistas, maiores defensores do sorteio, vão começar a questionar-se agora sobre o modelo de sorteio implementado ou quando apanharem o Capela em dois dos vossos três últimos jogos da Liga, sabendo que estes são contra o Porto, o Guimarães e o Braga?... já agora... o calendário português é feito por "sorteio"... não acham engraçado que agora que lutam pelo titulo (ou dizem que lutam e têm condições para tal) vos calhou, na fase decisiva do campeonato, três jogos de dificuldade elevada? Têm mesmo a certeza que o "sorteio" é a melhor forma de acabar com as suspeitas?

2. Estamos todos de acordo que um dos problemas da arbitragem nacional é a avaliação obscura que é feita aos árbitros. Digam-me agora, como é que essa avaliação vai ser mais objectiva se os clubes vão participar nela? Digo com toda a sinceridade : se eu tivesse que avaliar certos árbitros, não teria distância suficiente para fazê-lo de maneira imparcial e duvido muito que vocês a tivessem. Introduzir os clubes na avaliação dos árbitros é juntar confusão à confusão.

E pronto, isto é tudo uma grande hipocrisia, uma falta de bom senso enorme. É a reprodução de um velho hábito português onde, em vez de olharmos de frente para o problema que temos, queremos cortar radicalmente com ele pela raiz mesmo se nos enganamos de objecto. É como nos tempos da Inquisição quando "bruxas" eram queimadas e, nesse acto, o pessoal pensava que se livrava do mal. Pois... o problema é que o mal persiste e pior ainda porque temos a ilusão que cortámos com ele.

4 comentários:

Unknown disse...

Também é adepto de deixar a casa aberta, o dinheiro em cima da mesa, o carro destrancado?
Ou acha que o bom-senso já diz que, se há tentação para o roubo é melhor não facilitar?
Pensando bem, pode ser que um tipo que viva de assaltar casas também prefira que estas fiquem destrancadas.

David Duarte disse...

UnKnown,

1. és contra o principio segundo o qual os melhores devem arbitrar os jogos mais complicados?
2. Quais são os critérios do sorteio?
3. Quais são os critérios das avaliações?
4. Por que raios o sorteio vai melhor a situação se os dois pontos anteriores continuam a ser obscuros?

Qualquer que seja o seu comentário, se ele não responde a estas perguntas que foram levantadas é pura e simplesmente a demonstração que estàs a fugir ao essencial.

Mas posso pegar na tua imagem! Com as noemações, a porta da casa estava escancarada para os assaltantes? Seja. Agora com o sorteio os assaltantes até podem escolher se entram pela porta, pela chaminé ou pela janela.

artnis disse...

David

Meu caro,

a única razão por que os lagartos são a favor do 'sorteio', é o terem conseguido os seus 2 últimos campeonatos, durante as 4 ou 5 épocas em que tal sistema vigorou. E muito os beneficiou, sobremaneira no segundo.

Quando não são BENEFICIADOS são roubados.

Os exemplos são mais que muitos, todos os anos. E em todas as modalidades.

Oiço esta lengalenga há 40 anos. O resto é o carpir de mágoas habitual.

- p. s. -

Nem o facto de o Victor Pereira e o Lucílio Baptista serem, respectivamente, sócio desde o nascimento e adepto do Sporting os acalma ... !!!

Henrique disse...

O sorteio é uma treta, ainda mais se for um sorteio puro, que foi isso que o rui santos sugeriu ontem.

Depois, se todos os árbitros beneficiam o Benfica e prejudicam o Sporting, não vejo como isso vá melhorar a arbitragem. Segundo a lógica dos betos, o que vai acontecer é sortear o árbitro que vai beneficiar o Benfica.

O único objectivo deste processo é apoucar o vítor pereira, minando-lhe a autoridade. Sobre os critérios das nomeações, concordo que não são transparentes e que se podia melhorar o modelo.