O poder em causa

A eleição de Bruno de Carvalho para a presidência do Sporting provocou um sismo no futebol português. E, neste inicio de post, jà estou a ouvir alguns leitores a dizerem "Mas que porra!! então este blog chama-se Cabelo do Aimar e de vez em quando là vem um texto a elogiar presidentes de outros clubes! mais um blog anti." Não, neste texto não se trata de elogiar quem quer que seja. Trata-se, isso sim, de fazer um diagnostico do estado do futebol nacional um ano depois da eleição de Bruno de Carvalho e, assim, tentar pintar o quadro da relação de forças que neste momento existe em Portugal. E, para tal, é um facto que a eleição de Bruno de Carvalho constitui um momento marcante que tem tudo para revolucionar o futebol português. Senão vejamos :

O antes Bruno de Carvalho

Antes da eleição de Bruno de Carvalho a situação do futebol português estava, por assim dizer, bloqueada. A verdade é que viviamos ainda com um sistema de poder cujo centro era o porto. Aqui penso ao que Guilherme Aguiar (sim! sim! Vi o meu primeiro Dia Seguinte esta semana!) respondeu ao ROC (esse simbolo maior do Sporting apàtico e cheio de dores no rabinho que foi o Sporting dos ultimos largos anos) quando este lhe disse que o poder no futebol português estava a mudar. Como o advogado que é, Guilherme Aguiar respondeu-lhe pela forma ignorando a realidade. Disse ao ROC que esse poder não existia até porque na Liga todos têm um voto. Este argumento é vàlido, mas em nada corresponde à realidade... é como se eu dissesse o seguinte : "Existe oxigénio em Marte; o ser humano precisa de oxigénio para viver; o ser humano pode viver em Marte". Argumento vàlido formalmente mas em contradicção com a realidade. E a realidade do futebol era (e ainda é!) a seguinte : mediaticamente todos os jornalistas a desejarem respirar as bufas do Pinto da Costa, as arbitragens ainda submetidas e receosas, os clubes portugueses, graças a uma estratégia que se pode equiparar às dos movimentos das peças num tabuleiro de xadrez, recheados de treinadores e jogadores emprestados que saiem do porto. O poder é isto : meter os adversàrios num estado de dependência (olà Paços de Ferreira!), uma arbitragem no bolso, e uma comunicação submissa.

O Benfica nisto tudo? O problema do Benfica face ao sistema tem sido a incoerência da sua estratégia. Liderado por um presidente cujo passado é suspeito (em que medida os outros clubes portugueses poderiam confiar em alguém que se dizia oposto ao sistema quando durante anos andou de braços dados com a cabeça do sistema, com o seu amigo intimo?), o Benfica com esta direcção ora apoia para os principais lugares o futebol português pessoas ligadas ao apito dourado, ora então tem discursos de ruptura como durante as campanhas eleitorais, ora finalmente toma acções efectivas que ferem gravemente o sistema, como é o caso com a BenficaTV. A nivel politico, isto faz do Benfica um actor com o qual, na realidade, não se pode contar na medida em que não tem posição clara. A desconfiança impõe-se naturalmente.

O Sporting antes de Bruno de Carvalho? Não existe, pura e simplesmente não existe e não pesa em nada a não ser, de vez em quando, para servir de muleta ao Pinto da Costa (excepção feita a Dias da Cunha).

Depois de Bruno de Carvalho

Com a chegada de Bruno de Carvalho este panorama muda radicalmente. Com Bruno de Carvalho o Sporting passa a existir politicamente (é de politica que escrevo neste texto). E não apenas passa a existir como a posição tomada é clara e inequivoca : de oposição radical e mesmo violenta ao sistema. Uma oposição radical e violenta mas também inteligente. Tomo aqui um exemplo : o do comunicado do Sporting depois do adiamento do jogo na Luz. Esse comunicado foi alvo de bastante gozo devido ao conteudo do mesmo. O Sporting declarou que poderia muito bem ter reclamado os três pontos sem mesmo ter de jogar e contudo não quis fazê-lo. Se analizarmos o conteudo, de facto o texto não pode ser senão gozado, visto que em nada o Benfica era responsavel pela situação. A responsabilidade do Benfica pàra no momento em que contrata uma empresa para a manuntenção do Estàdio (a mesma de Sporting e porto aliàs), mas a manuntencão propriamente dita é da responsabilidade da empresa e não do Benfica.

Contudo, o interesse do comunicado não està nisso. O interesse do comunicado encontra-se no facto de o Sporting ter admitido publicamente que não teria com o Benfica a mesma agressividade que tem mostrado para com o sistema e para com o porto. E dir-me-ão vocês : "mas eu estou-me a borrifar para os estados de alma do Sporting em relação ao Benfica". Digo eu : fazem mal! Porque ao dizer isto o que o Sporting faz é admitir que o esforço de clarificação, de transparência do futebol português não terà sucesso sem que o Benfica participe no mesmo jogo, participação que seria impossivel se o Sporting agisse com o Benfica como tem feito com o porto. E dir-me-ão vocês novamente : "mas, olha là, então estàs a esquecer-te das vàrias bocas que o Bruno de Carvalho jà mandou ao Benfica? Chegou ao ponto de, no seu anti-benfiquismo primàrio, querer tirar o vermelho da bandeira nacional!". E eu digo : isso é discurso para dentro, para os sportinguistas. Não nos esqueçamos que Bruno de Carvalho foi eleito com pouco mais de 50% dos votos. Por outras palavras, Bruno de Carvalho esteve neste primeiro ano preocupado em unir os sportinguistas em torno dele e nada mais fàcil para consegui-lo do que mandar umas bocas aos seus adversàrios.

Voltando ao tema. O que implica para o Benfica este renascer do Sporting? Implica uma coisa bastante simples : o Benfica neste momento é obrigado a tomar uma posição clara e definitiva. Acabou o tempo das incoerências. Bruno de Carvalho, com o seu projecto de transparência para o futebol português (o seu conteudo é outra questão), colocou o Benfica contra a parede dizendo-lhe : "Como é? Queres entrar neste projecto e participar nas nossas reuniões com os outros clubes ou vais antes meter-te à mesa a discutir com o porto e os seus aliados?". Neste momento não existe outra alternativa, ou é sim ou é sopas. Todo o jogo duplo ou incoerente serà automaticamente apontado por um Sporting jovem e cheio de energia e, agora que as posições estão bem radicalizadas com dois tipos de reuniões que se organizam nestes ultimos tempos, dificilmente passarà inclusivé aos olhos dos proprios benfiquistas.

Futuro

Na minha opinião, a eleição de Bruno de Carvalho foi positiva para o Benfica. Ao participar nas reuniões para a transparência do futebol português, o Benfica marcou uma posição clara (aquela que todos queremos) e voltar atras seria perder toda a credibilidade aos olhos do mundo do futebol português.

Acredito plenamente que estamos num ponto de viragem no futebol português e em nada diminui o valor do Benfica e das acções (apesar da incoerência estratégica demonstrada) por si realizadas nos ultimos anos admitir que a chegada de Bruno de Carvalho foi a gota de àgua que faltava para o copo entornar e, espero eu, partir-se. Vemos indicios que algo està efectivamente a mudar. O primeiro de todos, os sinas de senilidade que começam a afectar Pinto da Costa. O que se passou depois da derrota com o Estoril é bastante simbolico. Alguma vez viram o mestre da ironia fina ficar sem resposta a uma pergunta de um jornalista e partir para a violência? Alguma vez viram um arbitro marcar um penalty a dez minutos do final de um jogo no dragão e com o resultado em 0-0 (nem preciso de adicionar a expulsão)? E sobretudo, alguma vez viram a estrutura do porto meter em causa a liderança de Pinto da Costa como està a acontecer com o caso Paulo Fonseca?

Pois é, chegou o momento de mudarmos o futebol português, de tornà-lo realmente democràtico depois de 30 anos de totalitarismo portista. E essa mudança apenas terà lugar se Benfica e Sporting juntarem-se à mesma mesa não para trocarem um ditador por outro bicéfalo, mas para que o futebol português seja autêntico para todos os clubes. Mas mesmo todos os clubes, sejam eles do norte, centro, sul, ilhas ou mesmo de Leiria (Valdemar, por onde andas?). Não nos esqueçamos de uma coisa : a podridão não apenas roubou muitos titulos a Benfica e a Sporting, como também contribuiu para destruição de muitos clubes. Em primeiro lugar, e devido à estratégia portista de divisão de Portugal em Norte e Sul, os clubes da bacia do Tejo ou mesmo do sul do pais. Façam là o exercicio e contem quantos clubes do Sul estavam na primeira divisão antes da chegada de Pinto da Costa e quantos começaram a haver depois. Mas não foram apenas os clubes do Sul que sofreram. Aqueles que, no Norte, ousaram resistir às influências do Porto acabaram, alguns, por desaparecer, o caso simbolico sendo o do Salgueiros. A transparência no futebol português é assim uma questão de justiça, uma questão para que, no final das épocas, a classificação corresponda ao que cada um fez em campo. E precisamente porque se trata de uma questão de justiça, não são para aqui chamadas alianças. Cada um é responsavel de si mesmo, mas todos são responsaveis pelo futebol português.

P.S. : Repito, os erros na acentuação devem-se ao facto de escrever num teclado francês.

9 comentários:

Zé Ninguém disse...

muito bom! subscrevo

lawrence disse...

É uma forma de ver a floresta e não apenas a árvore como muita rapaziada costuma fazer.
Bom esforço!
Sobre o Valderrama, estará por um lado a digerir (com camarão e espumante) a passagem dum anti à fase seguinte da liga órópa e por outro em hibernação até à próxima vitória duma equipa ou dum atleta do zebórdeng sobre o ou um do Benfica!
O que pressupõe uma data longínqua e indefinida quanto ao seu regresso!

Ricardo disse...

Alguém viu mais uma grande exibição do novo Rui Costa, o sr.Quinze Milhões?! Que craque....do Pasteleira, querem portugueses bons, mas para entrar nesta equipa do Benfica, esses tugas jogam todos lá fora, nenhum em Portugal!

Rui Dias disse...

Se pesassem mais um pouco talvez vos ocorresse que a grande mudança neste campeonato tem um nome! Benfica TV! O porto já perdeu este ano jogos de formas que eu, com 30 anos, nunca vi! Nos dias de hoje o dinheiro é que manda! N duvidem ...

rui disse...

Tretas. O PC chegou ao fcp em 82 em 84 já estava numa final europeia. Chegou a presidente mas antes disse passou anos envolvido na vida do clube,nas modalidades etc, ali á uma coisa que não sei se existe em muitos mais clubes no mundo, existe realmente um amor ao clube.Agora o Benfica que é que os socios do benfica quer? Elegeram um vigarista duas vezes,e agora tem la um ex.condenado em tribunal por roubo

Alberto disse...

A atitude do BdC é bastante semelhante à abordagem inicial do LFV. Não resultou.

As diferenças actuais são claras. O PdC tá todo fodido da moleira, e a Benfica TV.

O que BdC está a fazer é marcar terreno para quando o Bufas sair de cena, e colocar o Sporting num nível acima. Tudo o resto são fantasias...

jose garcia disse...

Bom post!

Francisco João Lopes disse...

Muito interessante.
Gostei dos pontos de vista .
Não concordo em alguns pontos , mas tudo o que for dito para a melhoria do futebol é bem vindo .
E as arbitragens não são "reciosas" , são receosas .
Bom fim de semana
Francisco Borracha

David Duarte disse...

Francisco João Lopes

De facto, tem razão. Contudo veja por este prisma:

reciosas -> ciosas -> fruta -> penalty para o porto