Teorias do complot e "apelos à unidade" ou como tornar o Benfica mais fraco.


Tenho uma aversão visceral por teorias do complot. Elas são por natureza irracionais pois pensam que a soma de dados indicativos chega por ela mesma para demonstrar o que quer que seja. Finalmente, o proprio de uma teoria do complot é reduzir a realidade a um discurso com a finalidade de transformar o discurso em realidade. Por esta razão, a teoria do complot é ideologica e, enquanto ideologia, incapaz de ter uma visão critica da realidade, a distância necessária para compreendê-la e assim demonstrá-la na sua necessidade.

Por que razão começo assim o meu texto? Ora bem, porque foi esse o sentimento que tive ao ler certos artigos que o meu camarada Meiral escreveu aqui no blog, artigos que exprimem a ideia que "o mundo virou-se contra o Benfica". Muito critico eu alguns textos do Valdemar por entrar nesta logica que considero errada. Muito mais critico eu um benfiquista por seguir o mesmo caminho. Se, no caso do Valdemar e do Sporting, esta atitude afecta-me porque a considero de uma profunda irracionalidade, no caso de um benfiquista esta atitude revolta-me pelo perigo de generalizar um sentimento profundamente negativo cujas consequências considero nefastas.

Não aceito como argumento válido para demonstrar que os media estão contra o Benfica fazer uma foto de écran pouco tempo depois do jogo do Porto acabar, foto a qual mostra uma imagem onde é dada importância especial à vitoria dos portistas, relegando para segundo plano a vitoria do Benfica. Mais, penso ser perfeitamente normal e imparcial ser atribuida essa importância ao ultimo jogo de um dos grandes e que esse destaque seja mantido até que uma informação suficientemente importante a venha substituir... e a vinda do Rodriguez não tem essa importância...
 
De igual forma, quando uma argumentação que se pretende séria fundamenta-se na caricatura, automaticamente perde todo o valor para mim. Se exceptuarmos os comentadores e reduzirmos os exemplos aos jornalistas, nunca li nenhum que dissesse que "a equipa do BENFICA é muito fraca, não está a jogar nada e só os árbitros justificam a liderança do campeonato". Li, isso sim, muitos escreverem que o Benfica apresenta este ano uma equipa mais fraca... relativamente à da época passada. E é legitimo pensar assim, existe fundamentação para defender esta ideia, a qualidade do futebol apresentado sendo menor. Claro, tão fundamentada como esta posição é a de afirmar que, no campeonato, o Benfica leva um avanço consideravel e assim há que relativizar a suposta fraqueza do plantel. Contudo, do julgamento comparativo ao julgamento absoluto vai uma grande diferença.

Também ainda estou para ler o jornalista que tenha dito que o "plantel fantástico" do Porto "joga muito e só por azar não está em primeiro, para além da ajuda dos apitadores aos mouros." Comentadores portistas, muitos o dizem, é verdade. Mas, volto a dizer, é preciso não confundir jornalistas e comentadores. Estes ultimos não têm como objectivo serem imparciais. Nem eles nem... os comentadores dos outros clubes incluindo os comentadores benfiquistas que, também eles, dizem por vezes barbaridades.

Estes são apenas alguns exemplos de como se pode defender uma ideia de modo a apresentá-la com toda a sua "evidência" através contudo da caricatura da realidade. Chama-se a isto petição de principio, ou seja, ter uma ideia preconcebida do real reduzindo este, através da manipulação e da selecção de uma parte da realidade, à ideia preconceituosa. Por outras palavras, em vez de termos uma ideia construida através da realidade, temos uma realidade reduzida à ideia, produzindo assim uma ilusão.

As consequências deste erro formal são, elas sim, evidentes. Cria-se a ideia de um mundo a duas cores opostas que passam a ser as referências exclusivas na interpretação que fazemos dos acontecimentos. Por esta razão, não me surpreende o pedido à "unidade benfiquista" realizado por Meiral. É a consequência natural da teoria do complot. Se temos um mundo que se juntou para nos derrotar, apenas a união de todos os benfiquistas pode fazer com que alcancemos os nossos objectivos. Contudo o grande problema dos apelos à "unidade", seja ela clubistica ou politica, é que eles acabam sistematicamente por ser o instrumento pelo qual tudo se justifica.

De que unidade estamos a falar? Da unidade no apoio às diferentes modalidades quando estas entram em campo? Se se trata desta unidade, então o apelo é escusado. Isto porque acredito que todo o benfiquista (ou adepto de qualquer clube), quando vê a sua equipa a entrar em campo, quer unica e exclusivamente que a sua equipa ganhe. Pouco importa se é o presidente A ou B, o treinador A ou B, o jogador A ou B. Se então não se trata desta unidade, de que unidade se trata? Do apoio a todas as decisões do poder instalado? Era o que faltava!! Era o que faltava um benfiquista ficar calado quando pensa que algo está errado! Nunca compreendi quem defende que o Benfica pode ser melhor à condição dos benfiquistas não utilizarem o seu espirito critico, calarem as suas opiniões exceptuando quando elas terminam no elogio.

O poder instalado, seja de que instituição for, seja de que natureza for, deve estar sempre submetido ao exame daqueles que são a base mesma do poder. A isto chama-se democracia e a democracia é um dos valores fundamentais do Benfica desde os tempos do fascismo. A democracia não se manifesta apenas no dia do voto. Manifesta-se todos os dias através das opiniões, da liberdade em manifestarmos o que pensamos, o bem e o mal de forma mais ou menos fundamentada. O que podemos lamentar é que, nos ultimos anos, muitos benfiquistas tenham esquecido que esta liberdade apenas faz sentido quando enquadrada num diálogo que tenha como objectivo a criação de um consenso (consenso ele mesmo objecto a posteriori da critica), que muitos manifestem as suas opiniões fechados no que pensam. A unidade com sentido é esta unidade que parte das diferenças. Uma unidade que não tenha em conta as diferenças é pura e simplesmente uma hipocrisia, uma fachada. E uma fachada perigosa! Porquê? Simples! Um benfiquista que não siga essa unidade é rapidamente transformado em benfiquista de segunda. Pior! Ele é transformado em traidor, infiltrado, seja que coisa for, mas o que não é de certeza, é um verdadeiro benfiquista.

Resumindo : não é com teorias do complot construidas sobre caricaturas da realidade que se prova o que quer que seja. Não é com supostas evidências que pressupõem a iluminação de uns e a ignorância de outros que se constroi um discurso válido. Não é com apelos à unidade sem dizer uma unica palavra sobre a natureza dessa unidade que os benfiquistas vão de facto unir-se. Não é manipulando a unidade de sentimento benfiquista, esse sentimento que todos sentimos ao ver o Benfica entrar em campo, tranformando-a em uniformidade racional (o que equivale a irracionalidade), não é com isto que faremos do Benfica um clube maior e mais digno. Antes pelo contrário, abrimos as portas a esta Direcção ou a outra qualquer a todo e qualquer desvaneio visto que, finalmente, aos olhos de todos, criticar o poder significaria mostrar ao mundo o quanto somos indiferentes aos benfiquismo.

Tem a palavra o Meiral, cujos textos e opiniões critiquei aqui abertamente (será que o Cabelo ficou mais fraco por causa desta diferença de opinião?...)

8 comentários:

lawrence disse...

Não concordando ou discordando, relevo a qualidade e a pertinência do texto!

Assim se "faz" o Benfiquismo!

Nelson Carvalho disse...

Não sei se o autor é benfiquista ou sportinguista, embora me pareça que seja do cá dos meus: SLB.
Simplesmente factual o teor deste texto.
Sem lamechices e sentido de 'manada'.
O Benfiquismo sempre viveu e sobreviveu com democracia, mesmo quando o resto do pais dela carecia.

Obrigado por este momento de grande clarividência.

E assim se cultiva o sentido de Unidade, que o lema do nosso clube orgulhosamente evidencia no emblema.

Desde 1904 (e não desde 2003), primeiro como Sport Lisboa e em 1908 definitivamentecoo Sport Lisboa e Benfica que se previligia o Mundo com a existência do SLB.
Basta ler e entender e quem não entender é porque, em boa verdade, não sabe o que é o SL BENFICA.

VIVA O SL BENFICA SEMPRE

Nelson Carvalho

António Viegas disse...

Concordo com a parte da unidade e do direito à crítica à direcção em funções.

Não concordo que não haja indícios de parcialidade contra o Benfica (e a favor do Porto e do Sporting) por parte da Comunicação Social. Alguns exemplos, tirados de memória, entre dezenas que todos os anos acontecem:

1. Em anos em que o porto vai à frente, ajudado claramente pelos árbitros e o SLB é prejudicado, ninguém fala de arbitragens. São considerados erros normais. Este ano, qual tem sido o tema principal da maioria dos programas sobre futebol? As arbitragens e a verdade desportiva, claro. Tudo para dar a ideia de que o SLB só vai à frente com ajuda dos árbitros.

2. O caso Mesquita Alves, completamente abafado. Imagina se um director do Benfica aparecesse morto a tiro no Estádio da Luz. Pois, está-se mesmo a ver o escândalo nacional que isso não seria...

3. No ano passado, numa entrevista na RTPI a Vítor Pereira, boa parte da mesma concentrou-se no facto de o Pedro Proença ainda não ter apitado o Benfica nessa época, "esquecendo" o facto de há mais de 2 anos que nem Duarte Gomes nem Bruno Paixão apitam o porto (continuam sem apitar e devem terminar a carreira sem voltar a fazê-lo).

Sentinela um Estremecer disse...

Para alguns, teorias do complot só são aceitáveis se visarem o Orelhas. :)

#nãosomostodosZéEduardos

Pedro Silva disse...

"o grande problema dos apelos à "unidade", seja ela clubistica ou politica, é que eles acabam sistematicamente por ser o instrumento pelo qual tudo se justifica"

No país como no clube! um grande lol pros consensualizadores.

Benfiquista Primário disse...

Falando mais a sério, para variar - ou seja, falando mais como eu próprio do que como 'Benfiquista Primário'...

Este texto está simplesmente brilhante. Os meus sinceros parabéns! Estamos na era do predomínio da razão sobre a emoção e das percepções sobre os factos. Por isso, nunca as teorias de conspiração tiveram sucesso tão generalizado como hoje em dia. Há duas décadas, ou nem isso, só uma minoria de freaks com hábitos psicotrópicos pouco aconselháveis as conheciam ou professavam...hoje, freaks são os que usam o filtro da razão critica e, por isso, descartam a grande maioria delas...

Muitos parabéns pela lucidez e pela qualidade da escrita.

Esta minha posição não invaluda que concorde, parcialmente, com algumas das coisas que diz o Meiral. Só há dois clubes verdadeiramente grandes em Portugal: o Benfica e o anti-Benfica. Como facilmente se pode comprovar pelos cânticos das claques frutistas e comediantes do Lumiar...ora, na minha opinião, os adeptos do anti-Benfica andam muito angustiados com a possibilidade do Benfica ser bicampeão este ano - sabem que isso pode representar a tal mudança de ciclo no futebol português...portanto, pelo sim pelo não, vão já desvalorizando, por antecipação, o eventual título do SLB, atribuindo-o à arbitragem e/ou a uma alegada Aliança com o Fruta Corrupção Pancadaria.

Nisto, concordo com o Meiral. Mas daí até reconhecer a existência de uma conspiração sistemática e orquestrada, vai uma distância quase tão grande como a que separa a produtora de humor do Lumiar de um clube grande do futebol português :D

Quanto ao nome do blog, uma vez que a solução de consenso seria qualquer coisa como 'Cabelos do Aimar e do Nico', vou ter que me abster ;)

Saudações gloriosas

Benfiquista Primário disse...

* não invalida

joão carlos disse...

como bem dizes o pessoal não quer unidade essa sempre existiu por parte de todos os benfiquistas em torno do seu clube o que querem é unicidade, normalmente em torno de quem o representa, e essa felizmente até agora nunca existiu no nosso clube e alias foi a falta dela que nos tornou grandes.
e continua a existir uma grande confusão entre a instituição e quem a, temporariamente, representa.